Publicidade

 


Resultados 1 a 1 de 1

Tpico: Preveno de Acidentes Oculares

  1. #1
    G-Sat VIP Avatar de Miluem
    Data de Inscrio
    Feb 2007
    Localizao
    Rhodes
    Idade
    47
    Mensagens
    5.937
    Entradas no Blog
    1
    Agradecer
    41
    Agradecido 73 vezes
    Em 69 tpicos

    Padro Preveno de Acidentes Oculares






    Preveno de Acidentes Oculares



    Introduo:


    O olho um rgo do corpo humano responsvel por um dos sentidos mais importantes: a viso.

    Sabendo-se que a maior parte da nossa comunicao com o meio exterior dada por este sentido (aproximadamente 85%), e que uma grande percentagem das leses oculares geram defeitos visuais permanentes, torna-se fcil o entendimento da importncia da preveno de acidentes com os olhos e da manuteno da sade dos mesmo.



    Breve anatomia do olho:

    O olho humano constitudo por delicadas estruturas. Na sua parte anterior, temos a crnea, que um tecido transparente que recobre a poro colorida dos olhos (denominada ris).

    Pupila o nome dado ao orifcio da ris (conhecida como "menina dos olhos"). O cristalino uma lente natural que possumos dentro dos nossos olhos, situado atrs da ris. Banhando estas estruturas h um lquido denominado humor aquoso.

    A poro posterior do olho constituda basicamente pela retina, que um tecido que abriga as clulas responsveis pela viso e o nervo ptico, que conduz as informaes visuais para serem interpretadas no crebro. Esta poro posterior preenchida por um outro lquido, gelatinoso, chamado humor vtreo.

    O tecido branco que envolve todo o globo ocular chamado esclera.


    A Viso e os defeitos visuais:

    O mecanismo visual pode ser resumido da seguinte forma:
    os raios luminosos trazendo uma imagem penetram no olho atravs da pupila e so focados na retina pela crnea e pelo cristalino. Esta imagem formada na retina levada ao crebro onde realizada. Os principais defeitos visuais so: miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia.

    Na miopia, a imagem formada embaciada (fora de foco) devido ao fato do globo ocular ser geralmente maior que o normal. Com isso, a imagem forma-se antes de atingir a retina.


    Miopia

    Este defeito visual tende a aumentar com o crescimento corporal, uma vez que o olho tambm crescer. corrigido por lentes divergentes que iro focalizar a imagem na retina.

    Na hipermetropia, temos tambm uma imagem desfocada, mas neste caso, deve-se ao fato do olho ser menor que o normal e a imagem formada atrs da retina, e no sobre ela como seria o normal.


    Hipermetropia

    Este defeito visual tende a diminuir com o crescimento corporal pelo aumento do globo ocular. corrigido por lentes convergentes com o mesmo objectivo de focalizar a imagem ntida na retina.


    Astigmatismo

    O astigmatismo um defeito da curvatura da crnea, que em vez de esfrica ovalada, facto que gera uma imagem distorcida. corrigido por lentes cilndricas mais ou menos.

    A presbiopia tambm conhecida como "vista cansada". um defeito visual que surge em 100% dos indivduos com mais de 40 anos de idade causando dificuldade para a viso ao perto (como a leitura, a manipulao de objectos, trabalhos manuais, etc.)

    Todos estes defeitos visuais so facilmente corrigidos com lentes correctamente receitadas pelo oftalmologista.

    Sabemos a importncia da viso perfeita para a vida e para o trabalho, mas poucos de ns tem conscincia que vem mal.

    Um bom exemplo disto foi um trabalho realizado na Frana, no qual em cerca de 180.000 pessoas examinadas ao acaso, 50% no viam bem e, destes, a metade no tinha conscincia de que viam mal. Alm disso, rgos franceses como a Associao Nacional para Defesa da Vista, chegaram a concluso que, em cada 4 acidentes na estrada, 1 se devia a baixa visual; em cada 10 acidentes de trabalho, 1 se devia tambm a baixa visual , no campo escolar, em cada 5 estudantes, 1 era mau aluno porque via mal.


    Importncia da Preveno de Acidentes Oculares:

    A proteco dos olhos uma necessidade urgente, e imperativa, no apenas pelo desejo de bem estar dos indivduos, mas tambm por razes de ordens scio-econmicas, como o aumento da produtividade.

    Com o aumento da industrializao e a diminuio das medidas profilticas, os acidentes oculares de trabalho tm ocorrido com uma frequncia cada vez maior, sendo necessrias medidas eficazes para preveni-los e evit-los.

    Tais acidentes so responsveis, muitas vezes, por gerar incapacidade e limitaes nos indivduos, por provocarem cegueira. Nos Estados Unidos ocorrem uma mdia de 1.000 acidentes oculares de trabalho por dia, apesar de todo um esforo na sua preveno.

    Por ser a viso o sentido mais importante, os olhos so extremamente essenciais para o operrio e leses mnimas podem impossibilit-lo para o trabalho.

    importante ressaltar que aproximadamente 98% dos acidentes so evitveis, ou seja, a cada 100 acidentes, apenas 2 deveriam acontecer.

    Historicamente, Remazzini em 1700 relatou a importncia da preveno de acidentes oculares, e tambm a dificuldade em realiz-la, devido principalmente falta de compreenso e colaborao dos trabalhadores em adoptarem medidas simples de precauo.


    O acidente ocular de trabalho e a sua preveno:

    Os acidentes com os olhos podem acontecer repentina e inesperadamente, e o indivduo pode percebe-los imediatamente ou apenas horas mais tarde, quando surgirem, sintomas como irritao, hiperemia ou sensao de corpo estranho.

    A inaptido para o trabalho causada pelo comprometimento ocular muito maior do que qualquer outro tipo de acidente uma vez que em mdia de 15 semanas, quando no permanente, contra as 5 para aqueles que afectam outra partes do corpo.

    Os profissionais mais atingidos pelo trauma ocular so os das seguintes reas: metalurgia, construo civil, marcenaria, mecnica, txtil, cermica, indstria qumica, indstria de produtos alimentares, transporte, pesca, artes grficas e minerao.

    As leses oculares mais encontradas so: corpos estranhos, lceras traumticas, queimaduras, contuses e laceraes e at perfuraes do globo ocular.

    Os sintomas mais comuns so: dor, baixa da viso, ardor, lacrimejamento, fotofobia, vermelhido, secreo ocular e sensao de corpo estranho nos olhos.

    As causas dos acidentes de trabalho oculares podem ser:
    1) fsicas, responsveis por 10% dos acidentes e 2) falta de superviso, responsvel por 88% dos acidentes.

    Entre as causas fsicas destacamos a falta de proteco eficiente (como os culos de proteco com lentes de segurana), trajes inadequados, m iluminao e ventilao do ambiente de trabalho e a m disposio ou a manuteno inadequada dos equipamentos.

    J no caso referente superviso, sabemos ser esta de extrema importncia na preveno de acidentes oculares, devendo no entanto ser constante, de modo a obrigar a totalidade dos funcionrios. A educao a principal arma de apoio devendo ser constante e duradoura. H a necessidade de uma organizao com plena autoridade de superviso que se encarregue do assunto e faa cumprir a legislao j existente com referencia aos acidentes de trabalho.

    Cabe superviso, fiscalizar as condies de trabalho dos funcionrios, promovendo mudanas para que estas tornem-se as mais adequadas possveis. Assim, a verificao do estado de manuteno dos equipamentos bem como a avaliao das condies de trabalho a que submetido o funcionrio, papel da superviso, funes estas de extrema importncia.

    Quanto s condies de trabalho, deve-se avaliar:
    ventilao e iluminao do local, necessita de ar condicionado, aspiradores e exaustores, uso de culos de proteco, horas de trabalho e descanso, entre outras. Correia Bastos aconselha um descanso de 10 minutos aps a 3 hora de trabalho, pois aps este perodo que os acidentes so mais comuns.

    Com relao aos culos de proteco, os mais utilizados so os com lentes de vidro temperado ou endurecido com 3 milmetros de espessura, que apresenta ptimas qualidades pticas.

    Temos ainda as lentes com vidros laminados coloridos e plsticos. Os culos protectores protegem os olhos de areia, fagulhas, gases, pancadas, p, vento e energia radiante.

    Para sua total eficincia, os culos de proteco devem estar adaptados de acordo com a necessidade e funo do trabalhador, e deve-se ter sempre mo materiais de fcil limpeza dos mesmos.

    No somente o trabalhador que faz o servio deve estar com os culos de proteco, mas tambm todos que o cercam.

    Infelizmente o uso dos culos protectores ainda no muito difundido, devendo haver um maior nmero de campanhas educativas com o intuito de incentivar e consciencializar os trabalhadores da importncia do seu uso rotineiro e habitual.

    O custo da preveno no alto, se levarmos em conta a economia proporcionada pela sade do trabalhador e o seu baixo custo quando comparado com a incapacidade do mesmo para o trabalho.


    Acidentes oculares domsticos:

    Muitos materiais e produtos so responsveis por acidentes oculares domsticos. Dentre eles, podemos citar os produtos de limpeza (desinfectantes, detergentes, etc.), insecticidas, objectos pontiagudos (tesouras, facas, garfos, agulhas, etc.), objectos inflamveis (lcool, etc.), produtos com temperaturas elevadas (fsforo, leo de fritar, etc.), plantas domsticas que liberem substncias (coroa-de-cristo, etc.), entre outros.

    Estes produtos provocam desde queimaduras at leses perfurantes graves do globo ocular, devendo portanto ser evitado o seu manuseio sem os devidos cuidados preventivos. Um cuidado especial o de se estocar tais produtos longe do alcance de crianas.

    Por fim, cabe ainda lembrar a importncia do uso do cinto de segurana nos veculos, pois pesquisas mundiais demonstram a eficcia deste objecto de segurana na medida em que diminui em uma percentagem alta o nmero de acidentes oculares graves, como as perfuraes, que podem gerar perda da funo visual. importante lembrar que o uso do cinto de segurana indispensvel sempre que se entrar em um automvel, a cidade ou na estrada; pesquisa demonstraram que um grande nmero de acidentes automobilsticos ocorre num raio de 1km prximo residncia da vtima.


    Primeiros socorros oculares:

    A primeira e mais importante medida de socorro aps um acidente ocular a lavagem do mesmo com gua limpa em abundncia. A nica excepo se faz s perfuraes oculares, que devem ser encaminhadas imediatamente ao oftalmologista para os devidos reparos (quando possvel). importante evitar-se a compresso do globo ocular at a avaliao da extenso da leso provocada pelo acidente.

    sempre importante a avaliao do profissional especializado (oftalmologista) que possui os equipamentos necessrios para um adequado exame do olho.

    O uso de colrio anestesiado para alvio dos sintomas um procedimento apenas aceito durante o exame do olho acometido e somente pelo profissional habilitado. Nunca deve ser usado inadvertidamente ou como rotina por pessoa no habilitada, uma vez que o seu abuso pode gerar problemas oculares graves como lceras e cegueira, sendo inclusive necessria a proibio de sua comercializao sem prescrio mdica oftalmolgica.



    Dr. Leoncio de Souza Queiroz Neto *
    • Oftalmologista do Instituto Penido Burnier

  2. # ADS
    Link Patrocinador
    Data de Inscrio
    03-10-2006
    Localizao
    G-Sat
    Idade
    6
    Mensagens
    Muitas
     

Tpicos Similares

  1. Preveno de acidentes na infancia
    Por Tixa no frum Gravidez e Puericultura
    Respostas: 1
    ltima Mensagem: 01-09-2007, 17:25
  2. Preveno de acidentes na criana
    Por camartins no frum Mdico
    Respostas: 7
    ltima Mensagem: 08-04-2007, 00:33

Patrocnio em Destaque

Marcadores
DESCUBRA A DECO PROTESTE
Experimente j, durante 2 meses por apenas 2 e receba um leitor MP5 multimdia de presente!
Saiba mais aqui.

Permisses de Postagem

  • Voc no pode iniciar novos tpicos
  • Voc no pode enviar respostas
  • Voc no pode enviar anexos
  • Voc no pode editar suas mensagens
  •