Publicidade

 


Resultados 1 a 1 de 1

Tpico: As trs dimenses do discurso: sintaxe, semntica, pragmtica

  1. #1
    G-Sat VIP Avatar de mokyy
    Data de Inscrio
    Mar 2008
    Localizao
    Santo Tirso
    Idade
    24
    Mensagens
    1.568
    Agradecer
    9
    Agradecido 15 vezes
    Em 11 tpicos

    Padro As trs dimenses do discurso: sintaxe, semntica, pragmtica



    Sintaxe

    A complexidade da linguagem humana no se reduz s regras lgicas, pois o discurso pode ser analisado segundo diferentes perspectivas.

    Podemos analis-lo do ponto de vista da sua estrutura. a sintaxe que analisa as relaes entre os signos independentemente do que eles designam.

    Um conjunto de letras postas ao acaso no uma palavra; lvroi no uma palavra. Para que se torne numa palavra do nosso cdigo lingustico, a lngua portuguesa, as letras tero de ser estruturadas segundo um certa ordem: livro. Do mesmo modo, uma srie de palavras s se constitui como uma frase quando as palavras se apresentam relacionadas de um certo modo desempenhando cada uma delas diferentes funes. As seguintes palavras bom ler ando livro a um s se constitui como uma frase se as palavras se apresentarem na ordem certa ando a ler um bom livro. Tambm o discurso exige uma sequncia de enunciados relacionados entre si de acordo com uma determinada ordem (sequencial, causal...).

    Esta articulao obedece a regras; estabelecer e analisar tais regras o objecto da sintaxe. Assim chamamos sintaxe a esta anlise das regras que regem o encadeamento dos signos no interior dos diversos actos de fala ou de discurso.

    A sintaxe de uma lngua, por exemplo, estabelece as regras que definem:

    o lugar das palavras para a construo das frases;

    as relaes de articulao entre as frases de modo a garantir a coerncia do discurso.

    A sintaxe lgica analisa os elementos formais que do estrutura ou sequncia aos enunciados ou proposies (uma proposio , como veremos mais adiante, a traduo de um juzo numa linguagem; um juzo uma operao lgica de ligao entre conceitos).

    A conexo sintctica entre os enunciados assegurada por uma srie de termos de ligao, sem os quais no poderamos relacionar diferentes proposies mas apenas construir proposies isoladas do tipo o livro bom ou o livro aborda o tema da linguagem, a que os lgicos chamam proposies atmicas por ligarem tomos lingusticos.

    Para podermos relacion-las e construir um discurso necessrio usar determinados signos do tipo e, ou, se... ento que conferem ao discurso a sua estrutura. No exemplo citado, o livro bom e aborda o tema da linguagem. Podemos, ento, concluir que a sintaxe lgica o estudo das relaes entre os signos e as proposies, abstraindo do seu significado, sendo, por isso, a teoria da construo de toda a linguagem lgica, pois trata da determinao das regras que permitem combinar os smbolos elementares de modo a construir proposies correctas; analisando os problemas postos pela definio das variveis lgicas e respectivas relaes, aborda o discurso apenas do ponto de vista da sua estrutura, isto , da sua forma, para garantir a sua validade formal.

    Vejamos um exemplo:

    Nas proposies Maria e Joo foram ao cinema e O livro e a caneta so azuis, a partcula e que d a forma, pois o elemento de ligao (um conector ou functor) que marca a relao entre as variveis, independentemente de serem Maria, Joo, livro ou caneta.


    Semntica

    Podemos analisar a relao dos signos com os seus referentes, isto , com os objectos por eles designados, ou com outros signos com idntico ou diverso significado; esta anlise que visa estudar os problemas postos pela interpretao do significado do signos a semntica e trata, portanto, da significao ou do valor de verdade e/ou falsidade das proposies.

    Ora, para podermos saber o que quer dizer o emissor, impe-se conhecer o contexto da enunciao, isto , quem disse, em que circunstncias, com que inteno. Para compreendermos o que um amigo nos diz numa conversa, o que o professor diz numa aula, o que um poltico diz na televiso ou um jornalista num artigo de jornal no basta dominar o cdigo. O domnio da lngua necessrio mas no suficiente para se compreender a mensagem emitida pelo emissor. Os sujeitos que participam no acto de comunicao afectam o significado do que enunciado. Este significado depende, em grande parte da experincia que a pessoa tem e do modo como as expresses so usadas. A compreenso do significado de um enunciado depende das circunstncias do seu uso, por isso, Wittgenstein afirmou que meaning is use (o significado da linguagem est no seu uso).


    Pragmtica

    Podemos ainda analisar o discurso segundo o uso que os interlocutores fazem das linguagens tendo em vista a aco que exercem uns sobre os outros. o que faz a pragmtica que trata dos signos na sua relao com os utilizadores, da adaptao das expresses s situaes e aos contextos em que so enunciados, trata, enfim, das significaes. O interesse transfere-se, agora, para a comunicao efectiva, para o que significam os signos para algum, para o acto que realizado quando se fala, para os efeitos que se pretende obter quando se fala. Do ponto de vista de algumas escolas da Filosofia da Linguagem, ao falar realizamos actos, actos de fala, que visam transformar os comportamentos do outro. Austin (1911-1960, filsofo ingls representante do movimento designado de Filosofia Analtica que considerava que os problemas da filosofia se identificavam com problemas de linguagem) designou estes actos de fala como se segue:

    acto locutrio o falante diz algo;

    acto ilocutrio o falante faz algo, uma vez que o falar j um agir; ao dizer prometo que, o falante realiza o acto de prometer; pelo facto de dizer algo est a fazer esse algo, seja a prometer, seja a agradecer, a aconselhar, a recusar, a elogiar, etc.;

    acto perlocutrio o falante exerce uma aco sobre o seu interlocutor. Ao dar uma ordem, por exemplo, o locutor afirma a sua vontade e define o papel que institucionalmente lhe est conferido, ao mesmo tempo que define o papel do seu interlocutor o papel de obedecer e de executar o que lhe foi ordenado.




    Contudo, devemos sublinhar que os nveis sintctico, semntico e pragmtico no definem dimenses do discurso que funcionem isoladamente, independentemente umas das outras. Qualquer pesquisa, numa perspectiva pragmtica, pressupe que o discurso seja analisado na sua estrutura, pois os signos isolados no tm significado. A semntica pressupe a sintaxe dado que as palavras para serem comprendidas tm de significar alguma coisa e o seu significado depende da relao que mantm com as outras palavras.

    A sintaxe o nica dimenso que pode ser tratada isoladamente; analisa, como sabemos, a estrutura formal de um enunciado ou de um encadeamento de enunciados para lhe avaliar exclusivamente a sua validade formal. As reflexes e anlises semnticas e pragmticas decorrem do alargamento das perspectivas que se foram construindo sobre as questes da linguagem e do excessivo formalismo dos sistemas lgicos. A significao, por exemplo, hoje perspectivada em funo dos contextos do uso comunicacional da linguagem e no apenas em funo de um sistema formal de regras lgicas. A importncia da performance lingustica reside precisamente no facto de se ter constatado o carcter redutor do formalismo lgico e a necessidade de uma teoria da significao e de uma teoria de comunicao para acedermos a uma compreenso global da linguagem.


    ||Fonte: O site da educao

  2. # ADS
    Link Patrocinador
    Data de Inscrio
    03-10-2006
    Localizao
    G-Sat
    Idade
    6
    Mensagens
    Muitas
     

Patrocnio em Destaque

Marcadores
DESCUBRA A DECO PROTESTE
Experimente j, durante 2 meses por apenas 2 e receba um leitor MP5 multimdia de presente!
Saiba mais aqui.

Permisses de Postagem

  • Voc no pode iniciar novos tpicos
  • Voc no pode enviar respostas
  • Voc no pode enviar anexos
  • Voc no pode editar suas mensagens
  •