Publicidade

 


Resultados 1 a 1 de 1

Tópico: Novo Banco, uma história mal contada (Mariana Mortágua)

  1. #1
    Administrador Avatar de Joao Santos
    Data de Inscrição
    Oct 2006
    Idade
    56
    Mensagens
    21.192
    Agradecer
    2.045
    Agradecido 2.744 vezes
    Em 1.700 tópicos
    Entradas no Blog
    43

     

    Padrão Novo Banco, uma história mal contada (Mariana Mortágua)

     

    Em 2014, o BES foi intervencionado e divido em dois pelo Banco de Portugal. Para o Novo Banco, propriedade do Fundo de Resolução (Estado), transitariam os ativos de qualidade e para o BES as partes tóxicas. Era suposto que as contas iniciais do Novo Banco estivessem certas: que os empréstimos irrecuperáveis tivessem ficado no BES, que os créditos em risco tivessem sido prudentemente provisionados, que as garantias tivessem sido realisticamente avaliadas. Foi com base nessas contas que o Novo Banco recebeu uma injeção de 4900 milhões de euros do Fundo de Resolução.

    À data, Passos Coelho estava empenhado em convencer o país do seu milagre: tinha solucionado uma falência bancária sem dinheiro dos contribuintes. Mas o milagre era uma farsa. Era suposto os bancos terem financiado o Fundo de Resolução, o que não aconteceu. Do total, 3900 milhões provinham de um empréstimo do Estado que, para ser ressarcido, precisaria, isso sim, de um milagre: que o Novo Banco fosse vendido por, pelo menos, 3900 milhões, ou que os bancos pagassem o empréstimo, sem eles próprios entrarem em dificuldades. Nenhuma destas opções se materializou.

    Em 2015, o Novo Banco voltava a precisar de capital. O Banco de Portugal foi então buscar mais 2000 milhões de obrigações que passaram para o BES mau, garantido que o perímetro da resolução estava finalmente fechado.

    Depois de uma primeira tentativa falhada, o Novo Banco está de novo à venda e, segundo se sabe, os compradores querem enormes garantias públicas para cobrir a diferença entre o valor contabilístico (registado nas contas) e o valor real dos ativos.

    Pagar para vender o terceiro maior banco do país a fundo abutre nem pensar. A nacionalização é por isso a solução. Não uma nacionalização temporária, para salvar conjunturalmente alguns interesses até que o mercado melhore, mas o controlo público permanente do banco, para que este possa ser gerido de acordo com os interesses de longo prazo do país.

    Mas, antes disso, era bom que o Banco de Portugal se explicasse. Como é que ainda falta dinheiro no Novo Banco? Será que os 4900 milhões iniciais alguma vez foram suficientes? E os 2000 milhões subsequentes? É difícil não achar que se trata, na melhor das hipóteses, de incompetência.


    Mariana Mortágua
    *DEPUTADA DO BE
    http://www.jn.pt/

  2. # ADS
    ========
    Data de Inscrição
    03-10-2006
    Idade
    6
    Mensagens
    Muitas

       Publicidade

     

     

Tópicos Similares

  1. O labirinto traumático de Passos Coelho (Mariana Mortágua)
    Por Joao Santos no fórum Crónicas / Opinião / Investigação
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 04-10-2016, 14:21
  2. Pedro e o Apocalipse (Mariana Mortágua)
    Por Joao Santos no fórum Crónicas / Opinião / Investigação
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 16-08-2016, 19:22
  3. Barroso: o que a política tem de pior (MARIANA MORTÁGUA)
    Por Joao Santos no fórum Crónicas / Opinião / Investigação
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 14-07-2016, 12:02
  4. Os vistos e os escondidos (Mariana Mortágua)
    Por Joao Santos no fórum Actualidades
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 15-12-2015, 14:53
  5. [Alerta] O predador (por MARIANA MORTÁGUA)
    Por Joao Santos no fórum O Pasquim da Republica
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 08-12-2015, 11:01

Tags para este Tópico

Patrocínio em Destaque

Marcadores
DESCUBRA A DECO PROTESTE
Experimente já, durante 2 meses por apenas 2€ e receba um leitor MP5 multimédia de presente!
Saiba mais aqui.

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •