Publicidade

 


Resultados 1 a 1 de 1

Tópico: Novo Banco, uma história mal contada (Mariana Mortágua)

  1. #1
    Administrador Avatar de Joao Santos
    Data de Inscrição
    Oct 2006
    Idade
    56
    Mensagens
    21.225
    Agradecer
    2.053
    Agradecido 2.752 vezes
    Em 1.707 tópicos
    Entradas no Blog
    43

    CLICA e reserva
    o teu Tablet 8 GRÁTIS

     

    Padrão Novo Banco, uma história mal contada (Mariana Mortágua)

     

    Em 2014, o BES foi intervencionado e divido em dois pelo Banco de Portugal. Para o Novo Banco, propriedade do Fundo de Resolução (Estado), transitariam os ativos de qualidade e para o BES as partes tóxicas. Era suposto que as contas iniciais do Novo Banco estivessem certas: que os empréstimos irrecuperáveis tivessem ficado no BES, que os créditos em risco tivessem sido prudentemente provisionados, que as garantias tivessem sido realisticamente avaliadas. Foi com base nessas contas que o Novo Banco recebeu uma injeção de 4900 milhões de euros do Fundo de Resolução.

    À data, Passos Coelho estava empenhado em convencer o país do seu milagre: tinha solucionado uma falência bancária sem dinheiro dos contribuintes. Mas o milagre era uma farsa. Era suposto os bancos terem financiado o Fundo de Resolução, o que não aconteceu. Do total, 3900 milhões provinham de um empréstimo do Estado que, para ser ressarcido, precisaria, isso sim, de um milagre: que o Novo Banco fosse vendido por, pelo menos, 3900 milhões, ou que os bancos pagassem o empréstimo, sem eles próprios entrarem em dificuldades. Nenhuma destas opções se materializou.

    Em 2015, o Novo Banco voltava a precisar de capital. O Banco de Portugal foi então buscar mais 2000 milhões de obrigações que passaram para o BES mau, garantido que o perímetro da resolução estava finalmente fechado.

    Depois de uma primeira tentativa falhada, o Novo Banco está de novo à venda e, segundo se sabe, os compradores querem enormes garantias públicas para cobrir a diferença entre o valor contabilístico (registado nas contas) e o valor real dos ativos.

    Pagar para vender o terceiro maior banco do país a fundo abutre nem pensar. A nacionalização é por isso a solução. Não uma nacionalização temporária, para salvar conjunturalmente alguns interesses até que o mercado melhore, mas o controlo público permanente do banco, para que este possa ser gerido de acordo com os interesses de longo prazo do país.

    Mas, antes disso, era bom que o Banco de Portugal se explicasse. Como é que ainda falta dinheiro no Novo Banco? Será que os 4900 milhões iniciais alguma vez foram suficientes? E os 2000 milhões subsequentes? É difícil não achar que se trata, na melhor das hipóteses, de incompetência.


    Mariana Mortágua
    *DEPUTADA DO BE
    http://www.jn.pt/

  2. # ADS
    ========
    Data de Inscrição
    03-10-2006
    Idade
    6
    Mensagens
    Muitas

       Publicidade

     

     

Tópicos Similares

  1. O labirinto traumático de Passos Coelho (Mariana Mortágua)
    Por Joao Santos no fórum Crónicas / Opinião / Investigação
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 04-10-2016, 14:21
  2. Pedro e o Apocalipse (Mariana Mortágua)
    Por Joao Santos no fórum Crónicas / Opinião / Investigação
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 16-08-2016, 19:22
  3. Barroso: o que a política tem de pior (MARIANA MORTÁGUA)
    Por Joao Santos no fórum Crónicas / Opinião / Investigação
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 14-07-2016, 12:02
  4. Os vistos e os escondidos (Mariana Mortágua)
    Por Joao Santos no fórum Actualidades
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 15-12-2015, 14:53
  5. [Alerta] O predador (por MARIANA MORTÁGUA)
    Por Joao Santos no fórum O Pasquim da Republica
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 08-12-2015, 11:01

Tags para este Tópico

Patrocínio em Destaque

Marcadores
DESCUBRA A DECO PROTESTE
Experimente já, durante 2 meses por apenas 2€ e receba um leitor MP5 multimédia de presente!
Saiba mais aqui.

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •