Publicidade

 


Resultados 1 a 1 de 1

Tpico: Bibliografia dos maiores matemticos da histria da humanidade.

  1. #1
    G-Sat VIP Avatar de nina5000
    Data de Inscrio
    Oct 2006
    Localizao
    algarve
    Idade
    43
    Mensagens
    5.221
    Agradecer
    0
    Agradecido 15 vezes
    Em 7 tpicos

    Padro Bibliografia dos maiores matemticos da histria da humanidade.



    Abraham De Moivre (1667 - 1754)

    O grande autor de "Doutrina das Probabilidades" e "Miscelnea Analtica"

    Abraham De Movre nasceu na Frana mas, aps a revogao do dito de Nantes, foi para a Inglaterra, onde dava grande quantidade de aulas de Matemtica para se sustentar.

    Tomou contato com Newton e Halley e em 1697 foi eleito para o Royai Society e mais tarde para as Academias de Paris e Berlim. Pretendia ser professor em uma academia mas mesmo com a proteo de Leibniz no conseguiu e isso se deve em parte a sua descendncia inglesa.

    Moivre foi o mais importante devoto da Teoria das Probabilidades, interessando-se em desenvolver processos gerais e notaes que considerava como uma "nova lgebra".

    Sua obra mais clebre foi a "Doutrina das Probabilidades", em 1718, onde apresenta mais de cinqenta problemas e questes, entre outros, a questo sobre dados, a probabilidade de tirar bolas de cores diferentes de uma urna e outros jogos. O prefcio deste livro refere-se s obras de probabilidades de Jacques, Jean e Nicolaus Bernoull.

    atribudo a Moivre o princpio segundo o qual a probabilidade de um evento composto a produto das probabilidades das componentes, embora essa idia j tivesse aparecido em trabalhos anteriores. Este princpio aparece no "Doutrina" que ainda contm os primeiros vestgios da lei dos erros ou curvas de distribuio interpretada par Moivre.

    Em 1730 publicou "Miscelnea Analtica" onde d um desenvolvimento analtico da Trigonometria e um de seus mais importantes resultados a frmula (cos q + i sen q )n = cos nq + i sen nq

    Moivre manteve cordial e extensa correspondncia com Jean Bernoulli entre 1704 e 1714, tais eram os interesses comuns sobre sries infinitas e probabilidades. Nesta poca, seus resultados adquiriram tamanha importncia que Newton ao ser procurado, para responder questes de Matemtica, dizia "Procure M. Moivre; ele sabe essas coisas melhor que eu".

    Moivre morreu aos 88 anos, oito anos depois de Maclaurin, e a partir da, a pesquisa matemtica permaneceu por muito tempo estagnada na Inglaterra.


    Albert Einstein (1879 - 1955)

    "Deus pode ser perspicaz, mas no malicioso"



    Albert Einstein nasceu numa sexta-feira, dia 14 de maro de 1879, em Ulm, uma prspera cidade ao sul da Alemanha. Ele foi o primeiro e nico filho homem de Hermman Einstein e Pauline Koch. J nos primeiros anos de sua vida, Einstein provocava comentrios. Sua me estava convencida de que o formato de sua cabea era fora do comum e temia que tivesse algum problema mental, porque era muito lento para aprender a falar. Passou sua juventude em Munique, onde sua famlia possua uma pequena oficina destinada construo de mquinas eltricas. Einstein no falou at os 3 anos de idade, mas desde jovem mostrou uma curiosidade brilhante sobre a Natureza, e uma habilidade para compreender conceitos matemticos avanados. Com 12 anos de idade, aprendeu por conta prpria a Geometria Euclideana.

    Em 1905, aps ter conseguido um emprego no servio federal de patentes que o deixava com horas vagas para estudar os problemas da fsica contempornea, o mundo tomou conhecimento de sua existncia atravs da publicao de cinco artigos nos Annalen der Physik, revista cientfica alem. No mesmo ano recebeu seu grau de Doutor pela Universidade de Zurique por uma dissertao terica a respeito das dimenses de molculas, e tambm publicou 3 trabalhos tericos de grande importncia para o desenvolvimento da Fsica do sculo 20. No primeiro desses trabalhos, sobre o Movimento Browniano, ele realizou previses significantes sobre o movimento de partculas distribudas aleatoriamente em um fluido. Tais previses seriam confirmadas posteriormente, atravs de experincias.

    O segundo Trabalho, sobre o Efeito Fotoeltrico, continha uma hiptese revolucionria a respeito da natureza da luz. Einstein no somente props que sob certas circunstncias pode-se considerar a luz feita de partculas, mas tambm a hiptese que a energia carregada por qualquer partcula de luz, chamada de fton, proporcional freqncia da radiao. Uma dcada mais tarde, o Fsico americano Robert Andrews Millikan confirmou experimentalmente a teoria de Einstein. Einstein, cuja preocupao primordial compreender a natureza da radiao eletromagntica, desenvolveu posteriormente uma teoria que seria uma fuso dos modelos de partcula e onda para a luz. Novamente, poucos cientistas compreendiam ou aceitavam suas idias.

    A Teoria da Relatividade Especial

    O terceiro grande Trabalho de Einstein em 1905, "Sobre a Eletrodinmica dos Corposem Movimento", continha o que tornou-se conhecido como a Teoria Especial da Relatividade. Desde a poca do Matemtico e Fsico ingls Isaac Newton, os filsofos naturais (como os fsicos e qumicos eram conhecidos) tentavam compreender a natureza da matria e da radiao e como elas interagiam. No existia uma explicao consistente para o modo como a radiao (a luz, por exemplo) e a matria interagiam quando vistas de referenciais inerciais diferentes, isto , uma interao vista simultaneamente por um observador em repouso e um observador movendo-se com velocidade constante.

    No Outono de 1905, aps considerar estes problemas por 10 anos, Einstein percebeu que o problema no se encontrava em uma teoria da matria, mas em uma teoria relativa s medidas. Einstein desenvolveu, ento, uma teoria baseada em dois postulados: o Princpio da Relatividade, que as leis fsicas so as mesmas em todos os referenciais inerciais, e o Princpio da Invarincia da velocidade da luz, onde a velocidade da luz no vcuo uma constante universal. Assim, Einstein era capaz de dar uma descrio correta e consistente de eventos fsicos em referenciais inerciais diferentes sem fazer suposies especiais sobre a natureza da matria e da radiao, ou como elas interagiam. Virtualmente, ningum compreendeu seus argumentos. Einstein e a Teoria da Relatividade Geral Mesmo antes de deixar o Escritrio de Patentes em 1907, comeara o trabalho de estender e generalizar o teoria da relatividade para todos os referenciais. Ele iniciou enunciando o Princpio da Equivalncia, um postulado que campos gravitacionais so equivalentes aceleraes de referenciais. Por exemplo, uma pessoa em um elevador em movimento no pode, em princpio, decidir se a fora que atua sobre ela causada pela gravidade ou pela acelerao constante do elevador. A Teoria da Relatividade Geral completa no foi publicada at 1916. Nesta teoria, as interaes de corpos que at ento haviam sido atribudas s foras gravitacionais, so explicadas como a influncia dos corpos sobre a geometria do espao-tempo (espao quadridimensional, uma abstrao matemtica, tendo as trs dimenses do espao Euclideano e o tempo como a quarta dimenso).

    Baseado em sua Teoria da Relatividade Geral, Einstein explicou as previamente inexplicveis variaes no movimento orbital dos planetas, e previu a inclinao da luz de estrelas na vizinhana de um corpo macio, como o Sol. A confirmao deste ltimo fenmeno durante um eclipse em 1919 tornou-se um grande evento, tornando Einstein famoso no mundo inteiro. Pelo resto de sua vida, Einstein devotou tempo considervel para generalizar ainda mais esta Teoria. Seu ltimo esforo, a Teoria do Campo Unificado, que no foi inteiramente um sucesso, foi uma tentativa de compreender todas as interaes fsicas - includo as interaes eletromagnticas e as interaes forte e fraca - em termos da modificao da geometria do espao-tempo entre as entidades interagentes.
    Entre 1915 e 1930 a grande preocupao da Fsica estava no desenvolvimento de uma nova concepo do carter fundamental da matria, conhecida como Teoria Quntica. Esta teoria continha a caracterstica da dualidade partcula-onda (a luz exibe propriedades de partcula, assim como de onda), assim como o Princpio da Incerteza, que estabelece que a preciso nos processos de medidas limitada. Einstein, entretanto, no aceitaria tais noes e criticou seu desenvolvimento at o final da sua vida. Disse Einstein uma vez: "Deus no joga dados com o mundo".
    Durante a I Guerra Mundial, com cidadania sua, ele trabalhou na generalizao de sua teoria para os sistemas acelerados. Elaborou ento, uma nova teoria da gravitao em que a clssica teoria de Newton assume papel particular. Einstein, com o passar dos anos, continua a no aceitar completamente diversas teorias. Por exemplo, Einstein no aceitava o princpio de Heisenberg que o universo estivesse abandonado ao acaso.

    "Deus pode ser perspicaz, mas no malicioso.", disse ele sobre este princpio que destrua o determinismo que estava ancorada a cincia desde a Grcia Antiga.

    O Nobel

    Einstein, o Cidado do Mundo Aps 1919, Einstein tornou-se internacionalmente reconhecido. Ganhou o Prmio Nobel de Fsica em 1921 pelo seu estudo do campo fotoeltrico, e no pela teoria da relatividade, ainda controvertida. Sua visita a qualquer parte do mundo tornava-se um evento nacional; fotgrafos e reprteres o seguiam em qualquer lugar.

    O Homem Poltico

    Einstein aceitou uma ctedra no Institute for Advance Study, em Princeton, Estados Unidos e, em 1940, adquiriu cidadania americana aps o surgimento da II Guerra Mundial, em 1939. Einstein sempre assumiu posies pblicas sobre os grandes problemas de sua poca, fosse a respeito da existncia do Estado de Israel, da Unio Sovitica, da luta contra o nazismo, ou, aps a II Guerra Mundial, contra a fabricao de armas nucleares. Einstein entregou uma carta ao presidente americano advertindo-o da possibilidade de os alemes fabricarem sua prpria bomba, no entanto, a carta levou os EUA a fabricarem a sua. Num ltimo apelo, Einstein escreveu ao presidente Theodore Roosevelt, que morreu sem ao menos ler a carta. Truman, seu sucessor, ignorou-a e lanou a bomba atmica em Hiroshima e, trs dias depois, em Nagasaki, no Japo. Em 1922, Einstein tornou-se membro do Comit de Cooperao Intelectual da Liga das Naes. Em 1925, juntamente com o lder dos direitos civis indianos Mahatma Gandhi, trabalhou numa campanha pela abolio do servio militar obrigatrio. E, em 1930, Einstein colocou novamente seu nome em outro importante manifesto internacional, desta vez organizado pela Liga Internacional da Mulher pela Paz e Liberdade. Pedia o desarmamento internacional como sendo a melhor maneira de assegurar uma contnua paz. Envolveu-se ainda em vrias causas sociais.

    Em 1925, Albert Einstein veio ao Brasil. Esteve no Rio de Janeiro, em visita a instituies cientficas e culturais. Proferiu duas conferncias: na Academia Brasileira de Cincias e no Instituto de Engenharia do Rio de Janeiro. Quando Adolf Hitler comeou seu governo na Alemanha, Einstein decidiu deixar a Alemanha imediatamente. Foi para os Estados Unidos e ocupou uma posio no Instituto para Estudos Avanados em Princeton, New Jersey.

    Quando a morte de Einstein foi anunciada em 1955, a notcia apareceu nas primeiras pginas dos jornais de todo o mundo: "Morreu um dos maiores homens do sculo 20".




    Arquimedes (287 - ???)

    "Heureka!



    Arquimedes nasceu em Siracusa, na Siclia em 287 a.C., e foi educado em Alexandria, no Egito. Consagrou-se Matemtica, mais especialmente Geometria. Muito jovem ainda comeou a distinguir-se por seus trabalhos cientficos. De regresso Siracusa consagrou-se ao estudo da Geometria e da Mecnica, conseguindo descobrir princpios e fazer aplicaes que o imortalizaram.
    Embora Arquimedes seja mais famoso pelo princpio da Hidrosttica que traz seu nome, talvez sejam mais notveis suas investigaes sobre a quadratura do crculo, que vem a ser a descoberta da relao entre a circunferncia e o seu dimetro. Na Hidrosttica, o "Princpio de Arquimedes" pode e deve ser considerado uma importante descoberta que determinou grande adiantamento no estudo das cincias fsicas e produziu felizes resultados. Possui aplicaes nas cincias naturais, na Farmcia e mesmo nas freqentes atividades do cotidiano. Podemos enunciar esse Princpio em duas partes:
    Todo corpo submerso em um lquido, desloca desse lquido uma quantidade determinada, cujo volume exatamente igual ao volume do corpo submerso.

    O corpo submerso no lquido "perde" de seu peso uma quantidade igual ao peso do volume de lquido igual ao volume submerso do corpo.

    Arquimedes inventou a balana que tem seu nome e foi o primeiro a determinar as leis do equilbrio na balana. As atividades de seu pai, o astrnomo Fdias, influram, sem dvida, na vocao e formao cientfica de Arquimedes que, desde jovem, esteve em Alexandria, onde travou amizade com vrios mestres alexandrinos.

    Heureca!

    De volta a Siracusa, dedicou toda a sua vida pesquisa cientfica. Uma das estrias mais conhecidas a respeito de Arquimedes a da "Coroa de ouro de Hieron", contada da seguinte maneira:

    "Entre o grande nmero de descobertas realizadas por Arquimedes, necessrio assinalar a seguinte: Quando Hieron reinava em Siracusa, props oferecer, em um certo templo, uma coroa de ouro aos deuses imortais. Combinou a confeco da obra com um arteso mediante uma boa soma de dinheiro e a entrega da quantidade de ouro em peso. O arteso entregou a coroa na data combinada com o Rei, que a achou executada com perfeio, parecendo que contivesse todo o ouro que lhe havia sido entregue. Sabendo, porm, que o arteso retirara parte do ouro, substituindo-o por um peso equivalente em prata, o rei, indignado diante desse engodo e no tendo em mos os meios para provar ao arteso sua fraude, encarregou a Arquimedes que se ocupasse da questo e que com sua inteligncia encontrasse esses meios. Um dia em que Arquimedes, preocupado com esse assunto, entrou por acaso em uma casa de banhos, percebeu que medida que entrava na banheira, a gua transbordava da mesma. Esta observao lhe fez descobrir a razo que procurava e, sem mais esperar, pela alegria que este fato lhe produzia, saiu do banho ainda nu e correndo para sua casa, gritava: Heureka! Heureka!, isto , "encontrei! encontrei!".

    Sobre a base desta descoberta, tomou, ento, duas massas de igual peso que o da coroa: uma de ouro e outra de prata. Mergulhou depois a massa de prata em um vaso, o que fez sair uma quantidade de gua igual ao volume dessa massa; tirou, ento, a massa e voltou a encher o vaso com uma quantidade de gua igual que se derramara e que se preocupara em medir, de maneira que pode conhecer a quantidade de gua que correspondia massa de prata que introduzira no vaso. Depois desta experincia, mergulhou igualmente a massa de ouro no vaso cheio de gua e, depois de hav-lo retirado, mediu novamente a gua transbordada, encontrando que a massa de ouro no deslocara tanta gua como a de prata e que a diferena para menos era igual diferena entre os volumes da massa de ouro e da massa de prata em igual peso. Finalmente, voltou a encher o vaso, mergulhando desta vez a coroa, que deslocou mais gua do que deslocara a massa de ouro de igual peso, porm menos que a massa de prata. Calculando, ento, de acordo com estas experincias, em quanto a quantidade de gua que a coroa desalojara era maior que aquela que deslocara a massa de ouro, soube quanta era a prata que fora misturada ao ouro, mostrando, assim, claramente, a fraude do arteso".

    A morte de Arquimedes

    A morte de Arquimedes narrada de diferentes maneiras. Segundo Plutarco, a morte de Arquimedes veio depois que o exrcito romano conquistou as partes mais importantes da cidade sitiada:

    "Tomadas tambm estas, na mesma manh marchou Marcelo para os Hexpilos, dando-lhe parabns todos os chefes que estavam s suas ordens; mas dele mesmo se diz que ao ver e registrar do alto a grandeza e beleza de semelhante cidade, derramou muitas lgrimas, compadecendo-se do que iria acontecer... ...os soldados que haviam pedido se lhes concedesse o direito ao saque... e que fosse incendiada e destruda. Em nada disso consentiu Marcelo e, s por fora e com repugnncia, condescendeu em que se aproveitassem dos bens e dos escravos... mandando expressamente que no se desse morte, nem se fizesse violncia, nem se escravizasse nenhum dos siracusanos... Mas, o que principalmente afligiu a Marcelo foi o que ocorreu com Arquimedes: encontrava-se este, casualmente, entregue ao exame de certa figura matemtica e, fixo nela seu esprito e sua vista, no percebeu a invaso dos romanos, nem a conquista da cidade. Apresentou-se-lhe repentinamente um soldado, dando-lhe ordem de que o acompanhasse casa de Marcelo; ele, porm, no quis ir antes de resolver o problema e chegar at a demonstrao; com o que, irritado, o soldado desembainhou a espada e matou-o... Marcelo o sentiu muito e ordenou ao soldado assassino que se retirasse de sua presena como abominvel, e mandando buscar os parentes do sbio, tratou-os com o maior apreo e distino".

    Na produo de Arquimedes revela-se exclusivamente o investigador. Seus escritos so verdadeiras memrias cientficas, trabalhos originais, nos quais se d por conhecido todo o produzido antes sobre o tema e apresentam-se elementos novos, prprios. As principais obras de Arquimedes foram sobre:

    1. A esfera e o cilindro - Um dos mais belos escritos de Arquimedes. Entre os seus resultados, a rea lateral do cone e do cilindro.

    2. Os conides e os esferides. - Refere-se aos slidos que hoje designamos elipside de revoluo, parabolide de revoluo e hiperbolide de revoluo.

    3. As espirais. - um estudo monogrfico de uma curva plana, hoje chamada espiral de Arquimedes, que se obtm por uma simples combinao de movimentos de rotao e translao. Entre os resultados, encontra-se um processo para retificar a circunferncia.

    4. A medida do crculo. - Contm apenas 3 proposies e um dos trabalhos que melhor revela a mente matemtica de Aristteles. Em uma ostentao tcnica combinam-se admiravelmente a matemtica exata e a aproximada, a aritmtica e a geometria, para impulsionar e encaminhar em nova direo o clssico problema da quadratura do crculo.

    5. Quadratura da Parbola. - Este escrito oferece o primeiro exemplo de quadratura, isto , de determinao de um polgono equivalente, de uma figura plana mistilnea: o segmento da parbola.

    6. O Arenrio. - Arquimedes realiza um estudo, no qual intercala um sistema de numerao prprio, que lhe permite calcular e, sobretudo exprimir quantidades enormes, e uma srie de consideraes astronmicas de grande importncia histrica, pois nelas se alude ao sistema heliocntrico da antigidade, devido a Aristarco de Samos.

    7. O equilbrio dos planos. - o primeiro tratado cientfico de esttica. A alavanca, os centros de gravidade de alguns polgonos, entre outros resultados.

    8. Dos corpos flutuantes. (Livro I e II). - As bases cientficas da hidrosttica.

    9. Do mtodo relativo aos teoremas mecnicos. - Arquimedes aproxima-se extraordinariamente de nosso conceitos atuais de clculo integral.

    10. O Stomachion. - um jogo geomtrico, espcie de puzzle, formado por uma srie de peas poligonais que completam um retngulo.

    11. O problema dos bois. - Um problema referente a teoria dos nmeros.




    Venn (1834 - 1923)

    "" difcil para qualquer um que no viu o trabalho em sua fabricao perceber a imensa quantia de pesquisa envolvida neste grande empreendimento."

    John Venn nasceu no dia 4 de agosto de 1834 em Hull, Inglaterra, e morreu no dia 4 de abril de 1923 em Cambridge, Inglaterra. Veio de uma Igreja de fundo Evanglico e quando ele entrou em Gonville e na Faculdade de Caius Cambridge em 1853 ele teve um leve contato com livros de qualquer tipo e pode ser dito que l tinha comeado o seu conhecimento de literatura. Ele se formou em 1857, e dois anos depois foi ordenado um padre. Em 1862 ele voltou a Universidade de Cambridge como um conferencista em Cincia Moral, estudando e ensinando lgica e teoria da probabilidade. Ele desenvolveu a lgica matemtica de Boole e melhor conhecido pelo seu diagrama de representar conjuntos e as sua unies e intersees.

    Venn considerou trs discos R, S, e T como subconjuntos tpicos de um conjunto U. As intersees destes discos e seus complementos dividem U em 8 regies no justapostas, das quais a unio d 256 combinaes de Boolean diferentes do conjunto original R, S, T.

    Venn escreveu a Lgica de Chance em 1866, que Keynes descreveu como: "notavelmente original e consideravelmente influenciou o desenvolvimento da teoria de estatsticas".

    Venn publicou Lgica Simblica em 1881 e Os Princpios da Lgica Emprica em 1889. O segundo destes menos original, mas o primeiro foi descrito por Keynes como provavelmente o seu trabalho mais duradouro em lgica. Em 1883 Venn foi eleito um membro da Sociedade Real. A partir da, carreira dele mudou de direo. Ele j tinha deixado a Igreja em 1870 mas o interesse dele virou agora a histria. Ele escreveu uma histria da sua faculdade, publicando The Biographical History of Gonville and Caius College 1349-1897 em 1897. Ele empreendeu a imensa tarefa de compilar uma histria da Universidade de Cambridge. O primeiro volume foi publicado em 1922. Ele foi ajudado pelo seu filho nesta tarefa que foi descrita por outro historiador nesses termos:

    " difcil para qualquer um que no viu o trabalho em sua fabricao perceber a imensa quantia de pesquisa envolvida neste grande empreendimento."Venn teve tambm outras habilidades e interesses, inclusive uma habilidade rara de construir mquinas. Ele usou a sua habilidade para construir uma mquina para bolas de cricket que era to boa que quando o time australiano de cricket visitou Cambridge em 1909, a mquina de Venn foi utilizada por uma de suas principais estrelas quatro vezes.




    Newton (1642 - 1727)


    Sir Isaac Newton - fsico, matemtico e astrnomo ingls, nasceu em 25 de dezembro de 1642 na cidade de Woolsthorpe, Lincolnshire. Estudou no Trinity College de Cambridge, onde recebeu em 1665 o ttulo de bacharel.

    A partir de 1665 a peste que assolava a Inglaterra obrigou-o a recolher-se, por aproximadamente dois anos, a sua aldeia natal. Esse longo perodo de recolhimento forado de Newton ( 1665-1667 ) fica conhecido como " os anos admirveis " quando o cientista imagina seus mais importantes princpios com respeito ao movimento dos astros, procurando, ao mesmo tempo, esquematizar as importantes concluses a que haviam chegado muitos fsicos anteriores, tais como: Robert Boyle, Robert Hooke e Edmund Halley. A lei da gravitao, a decomposio da luz solar no espectro, os anis coloridos das lminas delgadas, sero, muitos anos depois, os frutos dessa ociosidade involuntria. As conseqncias dessas descobertas, estender-se-o por todo o campo cientfico; elas abrem a porta cincia moderna. Ao firmar o princpio da gravitao universal, Newton elimina a dependncia da ao divina e influencia profundamente o pensamento filosfico do sculo XVIII. o fundador da mecnica clssica.

    Em 1667, quando Newton retornou Cambridge, redigiu o princpio que trata da atrao dos corpos, porm, ele estava mais interessado na mecnica celeste pois, apresentou a Isaac Barrow ( mestre de Newton, que renunciou ctedra de matemtica em 1669 com o objetivo de que a vaga fosse ocupada por Newton ) cinco memrias sobre o clculo infinitesimal, chamando-as de " mtodo matemtico dos fluxos ".

    Em 1667 e 1668, descobre a acelerao circular uniforme, a que d o nome de " centrpeta ". Em conseqncia, raciocina que o princpio determinante da gravitao terrestre o mesmo que governa a rotao da Lua ao redor da Terra. Para comprovar essa teoria seria preciso conhecer a extenso exata do raio terrestre; por isso, abandona por cerca de vinte anos seus trabalhos nesse terreno.

    Em 1669, dedicar-se especialmente tica e formula sua teoria das cores, sobre o prisma e o espectro, construindo o primeiro telescpio de reflexo. As experincias de Newton com a luz possibilitaram descobertas surpreendentes. A mais conhecida delas foi conseguida quando deixou um pequeno feixe de luz do Sol penetrar numa sala escura e atravessar um prisma de vidro. Verificou que o feixe se abria ao sair do prisma, revelando ser constitudo de luzes de diferentes cores, dispostas na mesma ordem em que aparecem no arco-ris. Para que essas cores no fossem acrescentadas pelo prprio vidro, Newton fez o feixe colorido passar por um segundo prisma. Como resultado, as cores voltaram a se juntar, provando que sua reunio formava outro feixe de luz branca, igual ao inicial.

    Em 1671, Newton assume a vaga de professor catedrtico de matemtica da Universidade de Cambridge a qual foi deixada quando ele era discpulo de Isaac Barrow.

    Em 1672, Newton eleito para a Royal Society e apresenta um relatrio sobre a teoria das cores, revelando suas experincias sobre a decomposio da luz branca pelo prisma. Demonstra que as cores primitivas ou fundamentais - amarelo, azul e vermelho - possuem carter especial e no so passveis de decomposio, sendo este trabalho apresentado Academia Real de Cincias e em seguida foi lanado um opsculo com o ttulo " Nova teoria da luz e da cor ".

    Em 1675 foi apresentado Royal Society um trabalho de fundamental importncia no campo da tica que trata das propriedades da luz, bem como, uma explicao da produo das cores por lminas delgadas. A memria contm ainda o resultado da medio dos anis coloridos, que ficaram conhecidos como " Anis de Newton ". Em seguida, formula a teoria corpuscular da luz a qual foi substituda pela teoria ondulatria, de Huygens. Em 1905, Einstein, ao descobrir o efeito fotoeltrico admite haver pontos de concordncia entre as teorias de Newton e de Huygens: a energia eltrica estaria concentrada em corpsculos ou ftons ; certos fenmenos, porm, somente podem ser explicados pelas ondas luminosas.

    Em 1684, pelo fato da insistncia de Edmond Halley - um grande astrnomo daquela poca que descobriu o cometa que leva o seu nome - que Newton, retornando Cambridge em 1686, se dedicou a escrever sua principal obra sobre o ttulo " Philosophiae naturalis principia mathematica " ( Princpios matemticos da filosofia natural ), na qual, baseado na lei de gravitao, explica a mecnica de Galileo. O trabalho foi dividido em trs partes e trata inicialmente da mecnica racional. Formula definies e axiomas, expe a lei da inrcia, introduz a noo de massa - excluindo a possibilidade de reduzir-se a mecnica cinemtica pura -; nova noo de fora, mais o princpio de igualdade entre ao e reao, alm das regras da acelerao central no vcuo, completam a primeira parte, intitulada " De Motu corpurum " ( Do Movimento dos corpos ) terminada e apresentada Academia Real em 28 de abril de 1686. A segunda uma extenso da primeira, em que Newton trata do movimento dos corpos num meio resistente, delineando a hidrodinmica, terminada em 20 de junho de 1687. Finalmente, a terceira parte apresenta a mecnica do sistema universal. No apenas os movimentos dos planetas, mas tambm dos cometas e das mars, so examinados luz de princpios matemticos, ou seja, esta parte oferece um tratamento matemtico ao problema da organizao dos sistemas do mundo, precedida de consideraes filosficas a respeito das regras do raciocnio, dos fenmenos e das proposies. Por esta razo foi intitulada " De Sistemate mundi " (Do Sistema do mundo) a qual foi terminada em 1687. O trabalho obteve grande repercusso internacional, mesmo conseguindo uma tiragem reduzida de apenas trezentos exemplares.

    Newton tinha um vasto conhecimento matemtico e um poder de raciocnio que impressionava no s o seu ex-professor Isaac Barrow mas tambm toda a comunidade cientfica. Mas, infelizmente, ele colocava a matemtica numa posio secundria, instrumental, a merecer-lhe a ateno na medida em que se revelasse fecunda para a soluo de problemas levantados pela mecnica celeste. Neste sentido, somente pesquisa novos mtodos na medida em que os j conhecidos se revelam insuficientes. Mas, mesmo assim, profunda a revoluo que introduz no campo da matemtica. Basta lembrar que antes dele no se tinha conhecimento do clculo diferencial. , ainda, com Newton que assume forma precisa o clculo diferencial, embora no se possa deixar de referir a valiosa colaborao de Fermat e Ren Descartes.

    Newton retira o carter de mero pressentimento s relaes entre o clculo diferencial e o integral, fazendo surgir o clculo infinitesimal com base nos estudos feitos pelo francs Pierre de Fermat. Em sua obra, o clculo infinitesimal surge sob duas formas, uma das quais, o mtodo dos fluxos, decorrente da outra - o mtodo das primeiras e ltimas razes. Em torno da prioridade da descoberta do clculo infinitesimal levantar-se-ia, mais tarde, acirrada polmica entre Newton e Leibniz, ou, mais precisamente, entre os adeptos de um e outro.

    Est historicamente provado ter havido coincidncia de concluses, alcanadas simultnea e independentemente, pelos dois cientistas. Se, cronologicamente, Newton pode ter chegado, quele resultado em primeiro lugar, tambm certo que Leibniz se mostra mais feliz no captulo das anotaes, criando smbolos que, por comodidade de emprego, ainda hoje so utilizados.

    Apesar de que Newton no tenha criado o mtodo dos desenvolvimentos em srie, deve-se observar que lhe deu uma nova viso no campo da matemtica, fazendo com que fosse descoberta a frmula de desenvolvimento do binmio. Newton, consegue, ainda, atravs do mtodo de interpolao, resolver por aproximao certos problemas relativos a curvas complexas, aplicando resultados conhecidos e relativos a curvas mais simples.

    Os trabalhos de Newton, na lgebra, beneficiaram a teoria das equaes, com a criao de procedimentos para clculo de razes e formulao de regras para determinao do nmero de razes de certa espcie. Referindo-se s razes imaginrias que denominava " impossveis ", sua viso instrumental da matemtica, leva Newton a afirmar: " de convenincia que a equaes revelem razes impossveis, pois, se assim no fosse, nos problemas, certos casos impossveis pareceriam possveis ".

    Newton foi membro do Parlamento no perodo de 1687 a 1690, mantendo a cadeira at a dissoluo do mesmo, embora prosseguisse estudando, no produziu nem publicou nenhuma obra importante. Durante esse perodo, em que era membro do parlamento, representou a universidade de Cambridge nos anos de 1689 e 1690. Com a dissoluo do Parlamento, regressou a Cambridge e retomou seus estudos matemticos.

    Em 1696, Newton muda-se para Londres pelo fato de ter uma depresso nervosa, levando-o a afastar-se durante algum tempo do trabalho cientfico, porm, assumiu a inspetoria da Casa da Moeda. Neste ano, porm, Jean Bernoulli escreveu uma carta aberta aos matemticos de todo o mundo, instigando-os a resolver dois importantes problemas de matemtica. Em janeiro de 1697, Newton recebeu duas cpias dessa carta e, no mesmo dia, conseguiu resolv-los, fazendo a devida comunicao academia.

    Em 1701, porm, eleito deputado, pelo segundo mandato, voltando tambm ao magistrio apresentando nesse ano Royal Society seu nico trabalho sobre qumica: uma memria qual acrescentar pouco depois suas observaes sobre as temperaturas de ebulio e de fuso, assim como um enunciado da lei de resfriamento por conduo.

    Em 1703, foi eleito presidente da Royal Society, cargo para o qual foi reeleito anualmente, enquanto viveu. Tambm foi de grande importncia para a cincia a obra publicada em 1704 sobre o ttulo " Opticks, or A Treatise on the reflections, refractions and colours of light " ( ptica, ou Um Tratado sobre a reflexo, refrao e cores da luz ). Redigida anos antes, na primeira edio inglesa Newton acrescenta importantes complementos, como, sob o nome de " teoria dos acessos de fcil transmisso ", uma prefigurao da noo de comprimento de onda. Na edio de lngua latina, apresenta um apndice que constitui verdadeiro tratado de clculo integral. Alm disso, na segunda edio de " Opticks ", em 1717, em ingls, inclui 31 Questions, abordando especialmente o problema da matria e da luz.

    Em 1705, iniciou-se a clebre disputa entre seus admiradores ( Samuel Clarke ) e os de Leibniz a respeito da autoria do clculo diferencial. Ficou provado que as pesquisas de Leibniz foram posteriores de Newton.

    Em 1707, foi publicado mais uma obra sobre o ttulo " Arithmetica Universalis sive De compositione et resolutione arithmetica " ( Aritmtica Universal ou Sobre a composio e resoluo aritmticas ), em que Newton exprime em frmulas matemticas a lei gravitacional e suas aplicaes, estabelecendo os fundamentos do clculo infinitesimal.

    Em 1708 foi elaborada a segunda edio dos " Principia ", que somente apareceu em 1713, sendo feita a terceira edio em 1726.

    Newton, ficou com os cabelos grisalhos quando tinha trinta anos, mantendo-se mentalmente em boas condies durante toda sua vida, orgulhando-se de enxergar e ouvir bem e ainda possuir todos os dentes, segundo sua avaliao quando tinha oitenta anos. Tentando avaliar sua carreira, ele disse: " Tenho a impresso de ter sido uma criana brincando beira-mar, divertindo-me em descobrir uma pedrinha mais lisa ou uma concha mais bonita que as outras, enquanto o imenso oceano da verdade, continua misterioso diante de meus olhos ".

    Os ltimos anos de verdadeira glria que viveu, Newton, na Inglaterra, ocupou-se exclusivamente a complexos estudos teolgicos. Faleceu no dia 20 de maro de 1727 em Kensington, Middlesex e foi sepultado na abadia de Westminster, onde lhe foi erguido o maior dos monumentos ali existentes.


  2. # ADS
    Link Patrocinador
    Data de Inscrio
    03-10-2006
    Localizao
    G-Sat
    Idade
    6
    Mensagens
    Muitas
     

Tpicos Similares

  1. Area 51
    Por Jac no frum O Fenmeno Ovni
    Respostas: 1
    ltima Mensagem: 17-06-2008, 00:03
  2. apndice do pesquisador
    Por algarvio no frum As Cincias Ocultas
    Respostas: 0
    ltima Mensagem: 07-03-2007, 20:40
  3. forma e realizao do dogma
    Por algarvio no frum As Cincias Ocultas
    Respostas: 0
    ltima Mensagem: 07-03-2007, 19:15
  4. a origem da magia
    Por algarvio no frum As Cincias Ocultas
    Respostas: 0
    ltima Mensagem: 07-03-2007, 18:55

Patrocnio em Destaque

Marcadores
DESCUBRA A DECO PROTESTE
Experimente j, durante 2 meses por apenas 2 e receba um leitor MP5 multimdia de presente!
Saiba mais aqui.

Permisses de Postagem

  • Voc no pode iniciar novos tpicos
  • Voc no pode enviar respostas
  • Voc no pode enviar anexos
  • Voc no pode editar suas mensagens
  •