Publicidade

 


Resultados 1 a 1 de 1

Tópico: Quem é a Lone Star Funds - Os segredos dos abutres que rondam o Novo Banco

  1. #1
    Administrador Avatar de Joao Santos
    Data de Inscrição
    Oct 2006
    Idade
    57
    Mensagens
    21.843
    Agradecer
    2.238
    Agradecido 2.824 vezes
    Em 1.763 tópicos
    Entradas no Blog
    43

    ESTORIL SOL CASINOS

    Padrão Quem é a Lone Star Funds - Os segredos dos abutres que rondam o Novo Banco

     

    É esperada nos próximos dias a recomendação do Banco de Portugal ao Governo de um comprador para o Novo Banco. Mas a quem se quer entregar a instituição financeira?


    A Lone Star Funds é um dos concorrentes à compra do Novo Banco, que foi criado após a falência do
    Banco Espírito Santo e no qual o Estado injectou 3,9 mil milhões de euros / Agência LUSA

    Ambos os fundos que parecem estar à frente da corrida ao Novo Banco – a Lone Star e a Apollo – nasceram no rescaldo da crise que levou à falência quase metade das associações de poupança e empréstimo, uma espécie de instituições financeiras mutualistas, entre a segunda metade dos anos 80 e o início da década de 90.

    A Lone Star Funds foi criada entre 1995 e 1996, mas o seu fundador e presidente, John Grayken, já vinha acumulando fortuna através da compra de «activos tóxicos» à banca – no essencial, crédito à habitação de cobrança difícil –, vendendo posteriormente com lucros na ordem das centenas de milhões de euros.

    Quando o sector imobiliário voltou a estar em alta nos EUA, a Lone Star virou-se para o Japão, em 1998, e depois para a Europa. O termo flipping é regularmente usado para descrever a estratégia destes fundos: comprar barato para, ao fim de poucos anos, vender com lucro. Mas como é possível comprar activos desvalorizados e transformá-los numa «galinha dos ovos de ouro» num espaço de dois ou três anos?

    Quando se trata de crédito à habitação, a prática da Lone Star é simples: se o devedor não paga, executa a hipoteca e vende o imóvel o mais rápido possível. Os lucros são conseguidos à custa de despejos massivos, seja na baixa de Nova Iorque, no Japão, na Coreia do Sul ou no Leste da Alemanha.

    Lone Star Funds: comprar barato, vender caro e depressa

    Se a sua especialidade começou por ser o imobiliário, a crise asiática do final do século XX proporcionou novos negócios, entrando no sector financeiro. Em 2003 adquire uma participação maioritária num banco coreano, que tenta vender passados três anos com um lucro superior a 4,5 mil milhões de dólares, 250% do valor pago.

    Suspeitas de manipulação bolsista abortaram o negócio, levaram à prisão do representante da Lone Star na Coreia do Sul e de um funcionário que desviou 11 milhões de dólares para o fundo norte-americano. Mas a venda acabou por se concretizar em 2012, com um lucro de 3,5 mil milhões de dólares.

    Porém, a receita aplicada no banco Korea Exchange Bank (KEB) logo após a compra não deixou boas memórias aos seus trabalhadores, com uma reestruturação agressiva, fusão de unidades e despedimentos. Mas o ritmo não agradava ao «fundo abutre», levando mesmo à substituição do presidente do banco em 2005.


    O presidente da Lone Star Funds à saída de um interrogatório judicial em Seul,
    confrontado com manifestantes pela manipulação do valor pago pelo KEB. 11 de Janeiro de 2008 / EPA

    No Japão, o fundo aproveitou a falência de um banco para criar o Tokyo Star Bank, em 2001, depois de pagar 340 milhões de dólares ao governo nipónico. Depois de seis anos de mais uma «reestruturação agressiva», o banco é vendido. Quando, em 2011, no auge da crise financeira, os novos donos não conseguem sustentar os 2,2 mil milhões de dólares de dívida assumida para comprar o Tokyo Star Bank, a Lone Star recupera o controlo do banco.

    Em 2014, o banco japonês é vendido pelo fundo norte-americano – pela segunda vez em menos de uma década – por 510 milhões de dólares a um banco sedeado na Ilha de Taiwan.

    Se o cartão de visita da Lone Star na gestão bancária é negro, as práticas fiscais não são melhores. O fundador renunciou mesmo à cidadania norte-americana, passando a ser cidadão irlandês e beneficiando do regime fiscal que permite não pagar impostos, já que detém a participação no fundo norte-americano na Bermuda, um paraíso fiscal.

    É esperada nos próximos dias uma decisão da equipa liderada pelo ex-secretário de Estado Sérgio Monteiro, contratado pelo Banco de Portugal para dirigir o processo de venda do Novo Banco, para que seja recomendado um comprador ao Governo, a quem cabe a decisão final.


    http://www.abrilabril.pt/

  2. # ADS
    ========
    Data de Inscrição
    03-10-2006
    Idade
    6
    Mensagens
    Muitas

       Publicidade

     

     

Tópicos Similares

  1. Respostas: 0
    Última Mensagem: 31-12-2015, 17:30
  2. Respostas: 0
    Última Mensagem: 24-02-2015, 14:36
  3. Respostas: 0
    Última Mensagem: 05-08-2014, 06:56
  4. Útil para quem usa o Banco Online
    Por Joao Santos no fórum Alerta Virus / Fraudes / Farsas da web
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 28-04-2013, 14:03
  5. Respostas: 0
    Última Mensagem: 14-02-2012, 11:29

Tags para este Tópico

Patrocínio em Destaque

Marcadores
DESCUBRA A DECO PROTESTE
Experimente já, durante 2 meses por apenas 2€ e receba um leitor MP5 multimédia de presente!
Saiba mais aqui.

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •