Resultados 1 a 1 de 1

Tópico: Martin Schulz - O Donald Trump alemão

  1. #1
    Administrador Avatar de pinoquio38
    Data de Inscrição
    Oct 2006
    Localização
    Republica das Bananas
    Idade
    57
    Mensagens
    9.854
    Agradecer
    738
    Agradecido 2.203 vezes
    Em 1.362 tópicos
    Entradas no Blog
    77

    Padrão Martin Schulz - O Donald Trump alemão

     

    Posso tê-lo pensado e dito aos amigos, mas na verdade, foi Wolfgang Schäuble – o todo-poderoso Ministro das Finanças alemão – a ser dado na imprensa internacional como fonte primeira: “Martin Schulz é o Donald Trump alemão”


    E se porventura o eterno número 2 da CDU alemã o disse com intuitos depreciativos – e tenho para mim que ele é demasiado inteligente para o ter feito – não vai tardar a dar-se conta do erro cometido.

    A biografia pré-eleitoral de Schulz – citada em todo o lado até pelo, nesta matéria, insuspeito Economist – é a versão alemã do guião eleitoral americano: futebolista cheio de ambições um acidente com o joelho coloca-o fora de jogo para sempre, e ele desesperado, cai na depressão, no desemprego e no alcoolismo.

    Mas consegue levantar-se, e com a ajuda de mão amiga abre uma livraria na pequena cidade onde nasceu, de onde se tornou seu presidente da Câmara e daí passou ao Parlamento Europeu onde chegou a seu Presidente por cinco anos.

    Conheci-o bem nos dez anos que com ele trabalhei no Parlamento Europeu e comparo-o frequentemente a um carro de combate alemão que quase nada faz parar e deixo aos leitores do “Tornado” um dos episódios por ele protagonizados e que mais me marcou.

    A regra eleitoral do Parlamento Europeu é a do método de Hondt que funciona com um sistema de pontos, com a distribuição de todos os cargos electivos (mesmo o de Presidente, a moda de ter eleições abertas foi inaugurada por Mário Soares, na altura sem bons resultados, como sabemos).

    A meio do mandato, o Parlamento Europeu resolveu criar uma nova delegação, a delegação para as relações com o Iraque. O sistema de pontos dava o lugar ao Partido Socialista, e dentro deste à delegação italiana, e estes escolheram uma senhora, muito popular em Itália por ter sido âncora de televisão.

    Martin Schulz comunicou assim, dentro das regras formais estabelecidas, o nome da próxima líder da delegação. Acontece que o poderoso lobby do regime iraniano no PE não estava de acordo com a decisão, não por ter alguma coisa contra a socialista italiana, mas por querer à viva força ver a baronesa Nicholson que terminava então a sua longa presença no PE – e que dirigia o lobby iraniano no PE, mas que era liberal britânica e que portanto nunca poderia ascender ao cargo – como sua presidente.

    A então número dois do lobby iraniano – a Drª Ana Gomes, que substituiu no cargo de número um a baronesa Nicholson depois da sua reforma – foi encarregada da operação. Como em muitos outros casos, saiu-se bem, mandando às malvas a directiva do PS e de Martin Schulz e cumprindo as de Teerão, substituindo assim no cargo a italiana pela baronesa Nicholson.

    Martin Schulz espumou de raiva e exigiu imediatamente a expulsão da Drª Ana Gomes do Partido Socialista. E entra aqui em cena Edite Estrela, na altura chefe da delegação dos socialistas portugueses, e torna-se forçoso um parêntesis para que a história seja compreensível.

    Conheci Edite Estrela em 1992, em plena campanha para as eleições regionais açorianas. O PS-Açores, mercê das suas crónicas lutas intestinas, tinha acabado por escolher Mário Machado, um independente, como candidato a Presidente do Governo Regional, independente que tinha sido eleito no quadro de uma aliança PS com o PDA (Partido Democrático do Atlântico) presidente da edilidade de Ponta Delgada.

    Ora ninguém no PS-Açores se mexia para fazer campanha por um independente, nem sequer para fazer os tempos de antena. E na verdade não teríamos tido tempo de antena nas eleições se Edite Estrela – dirigente socialista do PS nacional que em nada era responsável pelo drama – não se agarrasse dia e noite ao trabalho, com uma dedicação a que assisti pessoalmente e me marcou para sempre.

    A Edite Estrela é isto, uma mulher com uma generosidade sem limites e que é absolutamente dedicada ao PS como nunca vi ninguém ser. Enquanto para a generalidade dos dirigentes socialistas o PS é uma escada que utilizam para se favorecer, a Edite Estrela é capaz de se sacrificar em tudo a bem do PS.

    A expulsão da Drª Ana Gomes do PS Europeu seria um drama para o PS português. Em primeiro lugar, porque seria uma desautorização do PS nacional perante a Europa e em segundo lugar porque a imprensa portuguesa não perdoaria esta falta de atenção do PS por Teerão.

    A Edite Estrela tinha a sua missão de chefe da delegação portuguesa permanentemente sabotada pela Drª Ana Gomes e seria a última das pessoas a ter motivos pessoais para a defender, mas empenhou-se no combate e – mobilizando para isso todo o PS nacional – conseguiu evitar a expulsão da Drª Ana Gomes.

    Foi das raras vezes em que vi o carro de combate alemão ser travado, e por uma razão de força maior, não lhe era possível abrir uma crise num PS como o português que estava na altura no Governo.

    Por parte dos italianos, a reparação acabou por ser feita à minha custa, tendo eu cedido o lugar que ocupava de Presidente da delegação para as relações com a assembleia parlamentar da OTAN a um italiano, coisa que fiz sem qualquer hesitação a bem do PS e com total desprendimento do cargo.

    Confesso que nunca tive pelo PS a mesma dedicação demonstrada por Edite Estrela, mas aproximei-me mais disso do que quase todos os dirigentes socialistas que conheci (António Guterres, é aqui uma excepção de menção obrigatória). A primeira coisa que fiz quando, em 2014, em consciência, entendi que não podia mais engolir a minha opinião a favor dos interesses do PS, e o António José Seguro (transformado em verdadeira marioneta da Drª Ana Gomes) decidiu plantá-la no Parlamento Europeu numa lista favorável ao bloco central, foi enviar-lhe a carta de demissão de militante socialista antes de dizer o que quer que fosse em público.


    PAULO CASACA
    http://www.jornaltornado.pt/

  2. # ADS
    ========
    Data de Inscrição
    03-10-2006
    Localização
    G-Sat
    Idade
    6
    Mensagens
    Muitas
     

Tópicos Similares

  1. DONALD TRUMP - NÃO QUER MAIS BRASILEIROS nos EUA
    Por Joao Santos no fórum Brasil
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 02-02-2017, 00:11
  2. DONALD TRUMP adverte CHINA
    Por Joao Santos no fórum Actualidades
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 25-01-2017, 16:39
  3. De Donald Trump a Tino de Rãs
    Por pinoquio38 no fórum Crónicas / Opinião / Investigação
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 09-11-2016, 13:07
  4. OS NEGÓCIOS de DONALD TRUMP NA AMÉRICA LATINA
    Por pinoquio38 no fórum Crónicas / Opinião / Investigação
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 18-08-2016, 15:07
  5. Martin Schulz: "Sou contra as sanções a Portugal"
    Por kok@s no fórum Actualidades
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 05-06-2016, 07:36

Tags para este Tópico

Patrocínio em Destaque

Marcadores
DESCUBRA A DECO PROTESTE
Experimente já, durante 2 meses por apenas 2€ e receba um leitor MP5 multimédia de presente!
Saiba mais aqui.

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •