Publicidade

 


Resultados 1 a 1 de 1

Tópico: TÉCNICO DE FARMÁCIA

  1. #1
    G-Sat VIP Avatar de nina5000
    Data de Inscrição
    Oct 2006
    Localização
    algarve
    Idade
    45
    Mensagens
    4.944
    Agradecer
    0
    Agradecido 16 vezes
    Em 8 tópicos

    Padrão TÉCNICO DE FARMÁCIA

     

    Natureza do trabalho



    Os técnicos de farmácia desenvolvem um conjunto diversificado de actividades relacionadas com a prevenção, diagnóstico, terapia e reabilitação pelo uso de medicamentos. Normalmente integrados em equipas de saúde, estes profissionais desenvolvem o seu trabalho com autonomia técnica, variando as suas funções consoante o contexto profissional em que são exercidas.




    No âmbito de uma farmácia hospitalar, por exemplo, estes técnicos intervêm em todas as fases da distribuição dos medicamentos, para que estes sejam utilizados de uma forma mais correcta e racional possível. O seu trabalho abrange, assim, tarefas relacionadas com a distribuição dos medicamentos pelos diferentes serviços hospitalares, as suas condições de armazenamento, controlo de validade, aquisição de novos produtos, gestão de stocks, etc.




    Nos estabelecimentos e serviços de venda ou fornecimento de medicamentos (como farmácias hospitalares, comunitárias, militares ou prisionais), cabe-lhes assegurar a dispensa de medicamentos, de acordo com a prescrição terapêutica. Nesse acto, é da sua competência informar e aconselhar os utentes e outros profissionais de saúde para uma correcta utilização dos medicamentos, alertando-os, por exemplo, para o modo como devem ser tomados, as suas contra-indicações e os efeitos secundários que podem provocar.




    No domínio de trabalho comunitário desenvolvido pelos serviços de saúde, compete a estes técnicos colaborar na identificação e resolução de problemas da comunidade no âmbito da utilização e consumo de medicamentos. Além disso, podem participar no planeamento e desenvolvimento de acções e programas de formação, educação e sensibilização e esclarecimento de utentes e profissionais de saúde no âmbito da utilização e consumo de medicamentos.




    A sua actividade é também desenvolvida em contexto industrial, onde podem desempenhar diversas funções relacionadas com a produção, conservação e controlo de qualidade de medicamentos, produtos químicos e bens alimentares. Alguns destes profissionais exercem, ainda, actividades de desenvolvimento e aprofundamento de saberes e técnicas próprias da sua área de intervenção, como sucede no domínio do ensino/investigação.

    Dada a natureza das suas funções, é fundamental que estes profissionais trabalhem de um modo preciso e cuidadoso, devendo ter sempre presente que o uso de medicamentos interfere com a saúde e a vida de quem os utiliza. Quando dispensam medicamentos, é particularmente importante que sejam bons comunicadores, dado o contacto frequente que têm com o público e o papel de aconselhamento e informação que desempenham no seu dia-a-dia: por exemplo, quando dão informações sobre determinado medicamento e sua correcta utilização, devem fazê-lo de uma forma simples, clara e compreensível, tendo em conta o nível sócio-cultural do utente. Juntamente com o gosto pelo contacto humano, devem ter a capacidade para trabalhar eficazmente em equipa, pois tal faz parte integrante do seu quotidiano (por exemplo, com farmacêuticos, médicos, enfermeiros, colegas de profissão ou auxiliares de acção médica).



    Emprego



    No sector público, os técnicos de farmácia encontram-se integrados no Serviço Nacional de Saúde (SNS), trabalhando maioritariamente em hospitais (e, em alguns casos, nas administrações regionais de saúde). No sector privado, é comum encontrar estes profissionais em instituições privadas de saúde, farmácias comunitárias, laboratórios e empresas da indústria farmacêutica. A actividade por conta própria não é comum entre estes profissionais.

    A situação actual dos técnicos de farmácia no mercado de trabalho é globalmente positiva, na medida em que o nível de procura é alto e o desemprego pouco frequente. A inserção na vida activa apresenta-se, assim, relativamente fácil para aqueles que terminam a sua formação.



    Formação e Evolução na Carreira



    Quem deseje enveredar por esta profissão necessita de se formar em Farmácia. Regra geral, esta formação compreende aulas teóricas e práticas e períodos de estágio. No início, os seus planos curriculares integram normalmente disciplinas gerais nos domínios da anatomia, química, biologia, patologia e ciências ou cuidados de saúde. À medida que prossegue a formação, aumenta o número de disciplinas mais especificamente relacionadas com a profissão, como técnica laboratorial, farmacologia, farmacoterapia, métodos e técnicas de farmácia, organização e gestão em farmácia e tecnologia de produção em farmácia.




    A evolução profissional dos técnicos de farmácia depende do tipo de entidade para a qual trabalham. Os que se encontram empregados nos serviços públicos de saúde estão integrados na carreira de Técnico de Diagnóstico e Terapêutica, progredindo de acordo com o que está legalmente estipulado (de Técnico de 2.ª Classe a Técnico Director). Os critérios considerados para esta evolução, dependendo da categoria em questão, incluem número de anos e qualidade do serviço prestado, avaliação curricular e prestação de provas públicas (v. [Somente os Membros podem ver links. ]). A progressão nas categorias implica competências acrescidas, por exemplo, no âmbito da gestão dos recursos humanos e materiais, da coordenação e da avaliação das necessidades do serviço de farmácia ou até da investigação. No sector privado e cooperativo, estes profissionais também são denominados Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica, sendo a sua evolução profissional menos estruturada e reflectindo-se maioritariamente na remuneração auferida, na especialização técnica e no nível de responsabilidades assumidas.




    Independentemente do contexto em que exercem a sua actividade, estes profissionais devem ter a preocupação constante de actualizarem os seus conhecimentos técnico-científicos ao longo de toda a sua carreira profissional. Esta necessidade decorre sobretudo do facto das ciências da saúde registarem avanços sucessivos, cujo conhecimento actualizado é fundamental para o bom desempenho da profissão. A obtenção de conhecimentos complementares no contexto das tecnologias informáticas constitui uma mais-valia também relevante (por exemplo, conhecimento de utilização de softwares úteis no domínio da gestão e controlo de produtos farmacêuticos).



    Condições de Trabalho



    Considerando os seus diversos campos de actuação, estes profissionais podem trabalhar em diferentes locais: laboratórios, farmácias, salas de produção da indústria farmacêutica, armazéns de medicamentos e de matérias-primas, hospitais, etc. Em regra, trabalham em ambientes limpos, iluminados, arejados e, por vezes, esterilizados, nomeadamente quando intervêm na produção de medicamentos. Neste caso, pode ser obrigatório o uso de roupa de protecção, incluindo luvas e máscaras, entre outros acessórios.




    Dada a diversidade das áreas de intervenção em que a profissão pode ser desenvolvida, as restantes condições de trabalho são também variáveis. Nos hospitais, por exemplo, a necessidade de garantir o permanente funcionamento das suas farmácias leva a que seja preciso trabalhar fora do período normal de trabalho (a carga horária normal é de 35 horas semanais, ainda que haja regimes especiais de 42, 24 e 20 horas).






    Perspectivas



    Em termos globais, espera-se que as ciências da saúde em geral, e da farmácia em particular, venham a conhecer avanços sucessivos nos próximos anos, na medida em que as crescentes preocupações mundiais com a saúde têm levado a que se aposte cada vez mais no desenvolvimento da medicina e na pesquisa de novos produtos farmacêuticos. O aumento da esperança de vida, apesar de ser também um resultado desta tendência, é igualmente um factor de desenvolvimento, uma vez que as pessoas idosas têm, à partida, maior necessidade de medicamentos que as camadas populacionais mais jovens. Espera-se, assim, que estes profissionais sejam cada vez mais necessários nos domínios da investigação, produção, distribuição e venda de medicamentos.

    Crê-se, também, que a vocação, a responsabilidade e a capacidade de educar os cidadãos sejam requisitos cada vez mais exigidos aos técnicos de farmácia, pois as suas funções de esclarecimento e formação dos utilizadores de medicamentos têm vindo a ganhar maior importância. Por exemplo, tem-se verificado que as farmácias participam cada vez mais em campanhas de promoção da saúde, nomeadamente no domínio da toxicodependência e das doenças sexualmente transmissíveis. Por outro lado, tem-se assistido à crescente necessidade - e exigência - dos utentes de serem informados, nomeadamente no que diz respeito ao uso dos medicamentos. O cenário futuro destes profissionais afigura-se, assim, promissor, considerando que o seu perfil deverá enriquecer-se, através de uma maior especialização e diversificação das suas funções.

  2. # ADS
    ========
    Data de Inscrição
    03-10-2006
    Localização
    G-Sat
    Idade
    6
    Mensagens
    Muitas

       Publicidade

     

     

Patrocínio em Destaque

Marcadores
DESCUBRA A DECO PROTESTE
Experimente já, durante 2 meses por apenas 2€ e receba um leitor MP5 multimédia de presente!
Saiba mais aqui.

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •